6 dicas para reduzir custos na gestão de equipamentos hospitalares

Reduzir custos de forma estratégica faz parte de uma administração eficiente, já que isso pode equilibrar a saúde financeira de uma empresa, evitando problemas jurídicos e queda na imagem da instituição, além de ser uma forma de investir em melhorias na empresa. Essa medida se torna ainda mais relevante em períodos de crise.

Assim, aprender a reduzir custos na gestão de equipamentos hospitalares pode ser uma das maneiras de atingir os objetivos mencionados anteriormente. Afinal de contas, é comum que equipamentos se tornem obsoletos, por exemplo, o que é apontado por representantes da administração hospitalar como uma influência relevante nas dívidas dos hospitais públicos.

Diante das consequências que a má administração dos recursos pode gerar, preparamos este post com 6 dicas para você reduzir custos na sua instituição. Continue a leitura e entenda!

1. Faça o planejamento com base em evidências 

Toda e qualquer instituição, independentemente do segmento em que atua, precisa realizar planejamentos antes de tomar qualquer decisão. Planejamentos eficientes e construídos a partir de evidências podem colaborar com a redução de custos, diferentemente dos que ocorrem baseados em achismos e na intuição.

É por motivos como esses que a análise de indicadores é tão importante para a construção de um planejamento embasado. Eles monitoram dados da sua instituição e podem sinalizar os caminhos mais recomendados e não recomendados que devem ser percorridos para que a sua instituição economize e tenha também outros benefícios, como a maior satisfação dos pacientes.

Caso contrário, se não houver o embasamento nas decisões em evidências, é possível que ocorra a compra de equipamentos ultramodernos apenas porque a concorrência faz o mesmo, sem que exista uma análise das necessidades e do interesse dos seus pacientes nesses equipamentos, por exemplo. Ações como essas podem gerar custos desnecessários e atuar mais como um gasto do que como um investimento. 

2. Classifique os equipamentos

Quando a administração se compromete com a análise completa dos equipamentos hospitalares e fica por dentro de informações como quantidade e tipos de ativos existentes, as chances de a instituição deixar faltar ou comprar os elementos em excesso são altas.

Outros dados importantes incluem:

  • histórico de manutenção;
  • grau de risco;
  • localização;
  • dados de identificação do equipamento (como nome, código de rastreio e data de aquisição).

Além disso, é importante classificar os equipamentos seguindo alguns critérios, como o sistema fisiológico ou a especialidade clínica, que podem ser o diagnóstico pulmonar ou a cardiologia. Seja qual for o critério de classificação definido pela instituição, saiba que isso facilita o gerenciamento, como os custos de manutenção, controle de estoque e revisão de equipamentos.

3. Mapeie os custos

Parte essencial do melhor gerenciamento de custos da instituição hospitalar deve passar necessariamente pelo mapeamento de custos, que deve entender quais são os maiores gastos/investimentos da corporação para, posteriormente, adotar estratégias com base nessas informações.

Assim, defina quais são os custos fixos, que continuam existindo com ou sem fluxo de pacientes, tais como:

  • aluguel;
  • contas de luz;
  • contas de água;
  • internet;
  • telefone;
  • impostos;
  • financiamento.

Defina quais são os custos variáveis, que se alteram de acordo com a demanda existente:

  • EPIs (como máscaras e luvas);
  • treinamento da equipe;
  • material para escritório;
  • materiais de limpeza e manutenção (como lubrificantes);
  • peças de reposição, como componentes eletrônicos, peças de pequeno porte e peças mecânicas.

Dentro dos custos fixos e variáveis, ainda pode existir outra divisão, de custos diretos e indiretos. Os custos diretos são fáceis de identificar e calcular seu valor:

  • tempo do profissional com o paciente;
  • EPIs.

Já os custos indiretos não são possíveis de serem calculados em relação ao serviço prestado, como:

Ao mapear todos esses custos é importante registrar todos os gastos existentes, como os mencionados acima, mesmo que pareçam irrelevantes para o orçamento da instituição. Ao fazer isso, fica mais fácil obter uma visão realista do fluxo de gastos da corporação médica.

4. Sistematize a manutenção e segurança

Padronizar as operações de segurança e manutenção é um método de conseguir mais eficiência no fluxo de trabalho, produtividade e redução de custos, já que isso pode permitir que as instituições atuem com rapidez assim que a necessidade surgir. 

Por exemplo, as manutenções podem passar por agendamento, gerenciamento de gastos e contratos de serviços e conformidade de recall. Quando tudo isso é padronizado, evita-se que os equipamentos fiquem parados, necessitando de manutenção, até que a equipe responsável pela tarefa os aparelhos individualmente.

5. Compre apenas produtos de qualidade

Não é difícil que instituições optem por produtos com menores valores na intenção de economizar, sem considerar a durabilidade do que foi comprado, além da confiança que os produtos oferecem. Afinal, especialmente na área da saúde, contar com produtos de qualidade duvidosa pode comprometer o tratamento dos pacientes e o manuseio da equipe hospitalar.

Além disso, não se pode desconsiderar que a baixa qualidade dos equipamentos hospitalares também tende a aumentar a necessidade de manutenção e a trocas dos produtos, o que eleva os gastos muito mais do que o desejado.

6. Invista na tecnologia

A automatização dos processos por meio da tecnologia pode reduzir custos ao otimizar a eficiência nos processos e aumentar a produtividade, já que a partir dela é possível substituir trabalhos burocráticos, repetitivos e manuais, o que leva mais tempo para a sua realização.

Assim, quando as máquinas ou os sistemas tecnológicos passam a ocupar essas responsabilidades, a equipe da instituição pode focar seu tempo e sua energia em outras demandas mais urgentes e importantes, como confirmação de consultas, controle de agendas, prontuários eletrônicos, gestão financeira e escalas de equipes.

Como você pôde acompanhar, reduzir custos na instituição hospitalar pode permitir que ela opere com mais eficiência, ofereça mais satisfação aos pacientes, evite problemas jurídicos e equilibre a saúde financeira. Para isso, é indispensável contar com fornecedores confiáveis para encontrar os melhores equipamentos hospitalares, como a Medicalway, que atua há quase 20 anos na área.

Entre em contato conosco e saiba como podemos ajudar a sua instituição hospitalar com os melhores equipamentos!

Veja também
O que devo observar na hora de comprar um desfibrilador?

Comprar um desfibrilador e garanti-lo na instituição de saúde é indispensável para tentar reverter quadros graves de fibrilação. É o caso de parada cardiorrespiratória ou arritmia aguda, que podem ser ocasionadas por afogamento, intoxicação, choque elétrico etc.

Além disso, quadros de arritmias e morte súbita afetam 300 mil brasileiros anualmente, segundo pesquisas da SOBRAC. Então, é importante saber o que deve ser pesado ao comprar um desfibrilador para ajudar os profissionais de saúde a executarem o melhor trabalho.

Afinal, ter desfibriladores em cada ambiente do hospital garante mais rapidez para atender a casos emergenciais. Isso porque nesses casos, o socorro precisa ser feito o quanto antes, para aumentar as chances de sobrevivência de pacientes. 

Quer saber mais? Prossiga a leitura e descubra o que é preciso avaliar no momento de comprar um desfibrilador. Saiba como garantir o melhor equipamento e oferecer todo o suporte necessário de excelência à saúde em qualquer situação. Siga conosco!

Afinal, como comprar um desfibrilador? 

A compra do desfibrilador deve garantir mais eficácia na hora de preservar a vida de outras pessoas. Nesse sentido, é importante avaliar o equipamento médico, atentando para cada detalhe, a fim de escolher a melhor opção. Assim, existem vários critérios a considerar, como:

  • custos – inclui o valor do equipamento médico, da manutenção e dos consumíveis (como bateria e pás);
  • rapidez – priorize aparelhos que apliquem choque elétrico no menor tempo possível;
  • facilidade de uso – os mais fáceis costumam ter orientações verbais, recursos visuais e sonoros simples;
  • tamanho e durabilidade – os de menores dimensões podem ser instalados mesmo em espaços limitados e os classificados como IP56 tem maior proteção contra água e poeira;
  • conectividade Wi-fi – permite o acesso a dados sobre a parada cardíaca antes mesmo de se dirigir ao local da vítima;
  • confiabilidade e operacionalidade – é o caso de modelos conectados e com alarmes automáticos, que emitem sinais de bateria descarregada, avaria, ausência de eletrodos etc;
  • tecnologia – é importante que os recursos tecnológicos envolvidos sejam atualizados e menos agressivos;

Qual é o valor de um desfibrilar?

Conforme mencionado, os custos do equipamento médico e outros envolvidos na compra são um dos fatores para considerar. O valor varia conforme uma série de detalhes, como o modelo. No caso do desfibrilador externo automático, os custos ficam entre:

  • entre 400 e 1.500 €, se o modelo for para adultos;
  • entre 400 e 2.000 €, se o modelo puder ser utilizado tanto no público adulto quanto no infantil;
  • entre 300 e 1.200 € para um desfibrilador de treinamento (usados em quartéis de bombeiros, centros de treinamento de primeiros socorros etc.);
  • cerca de 300 euros, no caso de um desfibrilador de bolso.

A manutenção do desfibrilador, que costuma incluir a substituição das pás, dos eletrodos e da bateria, costuma ficar em torno de 25 e 350 €, o valor depende do modelo de desfibrilador.

Quais são os tipos de desfibriladores?

Existem 4 modelos disponíveis de desfibriladores, tendo uso exclusivo de médicos e especialistas da saúde. Os tipos desse equipamento médico são:

  • desfibrilador externo automático (DEA) – ao comprar, você pode fornecer choque do peito para o coração, tendo a informação da necessidade desse choque e a voltagem informada;
  • desfibrilador manual – o profissional que manuseia o aparelho precisa de treinamento para determinar a voltagem do choque elétrico e o momento adequado;
  • cardioversor – é manual e auxiliado por um monitor de sinais vitais;
  • desfibrilador implantável – age similarmente a um marcapasso, por ser interno, monitorar o tempo e a atividade elétrica, atuando de forma automática, se necessário, para equilibrar a função cardíaca.

Quais são as funções do desfibrilador?

Para entender melhor para que serve um desfibrilador, é fundamental entender mais sobre o processo de desfibrilação. As fibrilações ou arritmias cardíacas representam um estado de “desorganização” dos batimentos cardíacos, indicando graves riscos para a saúde.

Assim sendo, a desfibrilação se refere ao momento da aplicação de uma carga elétrica na parede torácica ou sobre as fibras musculares do coração de uma pessoa que apresenta sintomas de fibrilação auricular, como falta de ar, dores no peito e parada cardíaca. 

Para isso, é utilizado o desfibrilador, um equipamento que tem a função de reverter o quadro de fibrilação com mais agilidade, com o objetivo de evitar perdas de funções cardíacas e cerebrais.

Os desfibriladores são extremamente necessários para atender pacientes de forma mais ágil e segura, sendo fundamentais em ambulâncias, emergências de clínicas e hospitais e em empresas. No entanto, como será explicado adiante, outros ambientes também precisam ter esse equipamento médico por perto.

Por que é importante ter um desfibrilador em vários ambientes do hospital?

É importante ter um desfibrilador em vários ambientes do hospital para evitar que pacientes em grave estado cardiorrespiratório fiquem em salas de espera ou aguardando atendimentos emergenciais.

Desse jeito, é possível salvar mais vidas. Afinal, você já viu que quadros de arritmias e morte súbita afetam 300 mil brasileiros anualmente. Esses problemas de saúde podem ser especialmente comuns em pacientes que já sofrem de:

  • obesidade;
  • problemas cardíacos;
  • colesterol alto;
  • diabetes;
  • doenças pulmonares;
  • sedentarismo;
  • etc.

Logo, qualquer ambiente pode precisar desse equipamento médico. Além disso, quem passou por procedimentos cirúrgicos recentes também têm riscos de apresentar arritmia devido a complicações na cirurgia. Assim, também é importante contar com um desfibrilador, cuja rapidez no socorro pode elevar as chances de sobrevida.

Por outro lado, quando o desfibrilador cardíaco é utilizado apenas nas salas de emergência, há o risco de ocorrer a redução de chances de sobrevivência para o paciente. Então, de acordo com as determinações do congresso nacional, o equipamento passou a ser obrigatório em:

  • ambientes com circulação igual ou superior a 2000 pessoas por dia, como centros comerciais, hotéis, estádios, estações rodoviárias aeroportos;
  • eventos em que a expectativa de público também é igual ou superior a 2000 pessoas;
  • transportes com capacidade para 100 ou mais passageiros, como metrô, trens, aeronaves e embarcações;
  • ambulâncias, viaturas de bombeiros e de policiais.

Quem pode comprar um desfibrilador e manuseá-lo?

Hoje é possível comprar um desfibrilador automático (DEA) para garantir mais segurança à população e diminuir as taxas de mortalidade. Alguns países já permitem que pessoas legais aprendam com enfermeiros a respeito de como realizar procedimentos de atendimento de paradas cardiorrespiratórias, que podem ser feitos em qualquer lugar.

Apesar de já haver leis que regulamentam a obrigatoriedade do desfibrilador externo automático (DEA) em diversos locais, ainda há pouco conhecimento de como manuseá-lo. Portanto, vale ressaltar que é muito importante cobrar a presença do equipamento nos lugares onde você frequenta. Lugares como condomínios, espaços públicos, instituições de educação, academias e shoppings.

Caso uma pessoa leiga receba o devido treinamento por médicos e enfermeiros, ela pode operar o DEA de forma mais segura, sem precisar ter uma formação na área de saúde. Ainda mais, porque o equipamento é simples e prático de manusear, identificando, de forma automática, as arritmias cardíacas.

Portanto, bons equipamentos coletam as principais informações e indicam se é preciso aplicar o choque elétrico em poucos segundos. Caso isso seja necessário, o próprio equipamento define a carga que deve ser liberada, ajudando a preservar vidas com mais rapidez.

O que observar antes de comprar um desfibrilador?

Antes de decidir comprar um desfibrilador, é fundamental seguir alguns passos para garantir que você vai escolher o melhor equipamento, facilitando o seu trabalho e evitando preocupações. Confira, a seguir, alguns dos principais pontos para ter mais atenção.

Outros pontos que devem ser levados em consideração, são:

  • a segurança e os diferenciais do equipamento;
  • a tecnologia empregada;
  • a praticidade e agilidade no manuseio;
  • a qualidade dos itens adicionais;
  • os cuidados com manutenção preventiva;
  • a relação custo benefício do aparelho;
  • o suporte técnico;
  • a regulamentação da ANVISA;
  • os tipos de eletrodos fornecidos para complementar o equipamento;
  • o pós-venda da empresa.

Conheça os diferentes tipos de desfibriladores

Há diversos tipos de aparelhos, e o primeiro passo é saber como funciona cada um deles antes de escolher qual comprar. Veja abaixo!

  • Desfibrilador Externo Manual: pode ser utilizado somente por profissionais de saúde e, normalmente, é encontrado em hospitais e ambulâncias
  • Desfibrilador Externo Automático (DEA): projetado para ser utilizado por pessoas com pouco treinamento, dispensando formações na área de saúde, por utilizar uma tecnologia que opera de forma automática
  • Cardioversor: oferece as funções de desfibriladores comuns, mas possui a aplicação de choque sincronizado
  • Cardioversor Desfibrilador Implantável ou Desfibrilador Cardíaco Interno Automático (AICD): semelhante ao marca-passo, monitora o ritmo cardíaco dos pacientes e pode iniciar choques de forma automática, para prevenir arritmias potencialmente fatais.

Esperamos que este conteúdo tenha ajudado você a saber mais sobre a importância de utilizar esse equipamento. E também, em quais lugares ele deve estar e tudo o que é preciso atentar antes de comprar um desfibrilador, a fim de manuseá-lo com mais agilidade e responsabilidade.

A Medicalway possui as melhores soluções para melhorar o seu dia a dia no hospital. Temos as tecnologias ideais, com as condições mais acessíveis do mercado, e todo o suporte que você precisa para salvar vidas.

Acesse o nosso site para saber mais a respeito dos nossos serviços e as soluções que oferecemos. Até mais!

LEIA MAIS
4 equipamentos e materiais para a sala de emergência hospitalar

Em casos de emergência hospitalar, a sala deve ser bem equipada e organizada para garantir a boa execução do trabalho médico. Consequentemente, essa também é uma maneira de mostrar ao paciente que o hospital preza pela qualidade do enfermo.

Por essa razão, nunca é demais revisar quais são os equipamentos indispensáveis para a sala de emergência hospitalar. Ao fazer isso, você evita imprevistos e garante o bom andamento do trabalho. Afinal, esse setor do hospital lida com um alto fluxo de pacientes, exigindo rápida adaptação.

Nesse sentido, preparamos este post para apresentar 4 equipamentos para a sala de emergência hospitalar. Acompanhe!

1. Desfibrilador

O desfibrilador aplica choques no paciente para restabelecer o ritmo cardíaco quando ocorre uma parada cardiorespiratória. Isso porque os choques proporcionados ajudam a bombear sangue e equilibrar as funções do organismo.

Existem diversas causas que podem levar um paciente a precisar de um desfibrilador. Entre elas, AVC, afogamento, choque elétrico, infecção grave, hemorragia, infarto agudo do miocárdio, arritmia cardíaca etc. 

A estimativa é que o Brasil tenha, em média, 200.000 casos de parada cardiorrespiratória, segundo a Revista Ibero-Americana de Humanidades, Ciências e Educação. Desse total, muitos apresentam alta morbidade. Assim, a agilidade na intervenção médica é significativa para maior chance de sobrevida.

2. Monitores cardíacos

Como o próprio nome sugere, serve para monitorar o ritmo cardíaco. Assim, caso o paciente apresente alguma alteração anormal, os profissionais de saúde conseguem acompanhar rapidamente e tomar providências.

Os monitores cardíacos mais modernos também acompanham temperatura, respiração, oximetria e frequência de pulso. Isso traz informações mais completas sobre o estado do paciente para que a intervenção médica seja mais ágil e precisa, como emergências requerem.

3. EPIs

Os equipamentos de proteção individual são indispensáveis na sala de emergência hospitalar. Primeiro por trazer mais segurança para o profissional de saúde. Segundo, porque esses itens, muitas vezes, são obrigatórios, para que o hospital garanta a proteção da equipe. É o caso de luvas, avental, óculos de proteção, máscara cirúrgica e outros.

4. Carro maca

Esse é outro item indispensável, já que em condições emergenciais, o paciente pode não conseguir se locomover. No entanto, não basta garantir esse item, é preciso que ele tenha grades laterais removíveis, trazendo mais segurança e facilidade de manuseio pela equipe médica.

Além disso, é importante garantir a existência de macas especiais, como as desenvolvidas para pessoas obesas. Caso contrário, o paciente pode ficar sem atendimento por não conseguir se locomover no hospital. Foi o que ocorreu com Vitor Augusto Marcos de Oliveira, em 5 de janeiro de 2023, que faleceu na porta do ambiente.

Então, entendeu quais são alguns dos itens fundamentais para garantir na sala de emergência hospitalar? Ao fazer isso, você traz mais segurança e qualidade para o seu hospital. Assim, ele se torna um ambiente mais adequado e satisfatório para profissionais de saúde e pacientes.

Após conhecer alguns dos equipamentos essenciais para a sala de emergência hospitalar, acesse nosso site e acompanhe os diferenciais da Medicalway no oferecimento desses itens para você comprar ou alugar!

LEIA MAIS
Como melhorar o gerenciamento de manutenção de equipamentos hospitalares?

Manter um bom gerenciamento de manutenção de equipamentos hospitalares é fundamental para um atendimento de qualidade. Afinal, isso é capaz de proporcionar a promoção da saúde e do bem-estar durante os cuidados com os pacientes, garantindo uma boa imagem da instituição.

Trata-se da aplicação de práticas capazes de identificar a necessidade de certo aparelho e seu tempo de utilização, além do cronograma de manutenção, programação de novas aquisições e demais medidas capazes de evitar problemas e riscos desnecessários.

Mas você sabe como realizar essa gestão de maneira eficaz e outros detalhes sobre a importância da manutenção de equipamentos hospitalares? Leia este conteúdo e descubra!

Qual é a importância da manutenção de equipamentos hospitalares?

Primeiro, saiba que é importante garantir a manutenção de equipamentos hospitalares por diversas razões, como evitar erros de diagnóstico, aumentar a segurança dos pacientes etc. A seguir, saiba mais sobre os benefícios proporcionados!

Garantir mais segurança dos pacientes

Os maquinários hospitalares são essenciais para intervenções nos pacientes, sejam emergenciais ou não. Se eles não passaram por manutenções recentes, podem não operar como deveriam, o que compromete a segurança dos pacientes. 

Por exemplo, imagine que um médico precise usar um desfibrilador no paciente, caso ele passe por uma parada cardiorrespiratória. A situação é emergencial, e quanto mais rápida a intervenção ocorrer, maior a chance de sobrevida do enfermo. 

Contudo, sem manutenção, esse equipamento pode ter a bateria descarregada de última hora. Outros problemas também podem ocorrer, comprometendo o restabelecimento do ritmo cardíaco e a segurança do paciente. 

Evitar erros de diagnóstico

Outro problema que a falta de manutenção de equipamentos hospitalares pode ocasionar é o erro no diagnóstico do quadro de saúde do paciente. Afinal, os itens precisam de ajuste ou lubrificação, troca periódica da bateria, calibração constante etc. 

Caso algumas dessas práticas sejam dispensadas, o aparelho pode errar no diagnóstico de patologias. Inclusive, conclusões erradas no diagnóstico dos pacientes podem levar até a processos judiciais, devido ao comprometimento com a saúde e as finanças do indivíduo que isso pode ocasionar.

Aumentar a vida útil dos equipamentos médicos

A redução da vida útil dos equipamentos médicos pode afetar o diagnóstico de doenças. Outro problema associado é a menor durabilidade dos itens. Afinal, a manutenção periódica também visa melhorar o desempenho do maquinário.

Logo, sem realizar esse procedimento na frequência necessária, é possível que ele dure menos do que o previsto. Isso é maléfico para as finanças do hospital, já que os custos para adquirir ou alugar um novo equipamento podem ser elevados.

Diante disso, investir na prevenção do aparelho é a melhor saída. Afinal, outro problema que isso pode ocasionar é na gestão do estabelecimento, que pode ter itens essenciais em falta quando um paciente necessitar.

Inclusive, a manutenção é uma forma de lidar com o desgaste que os equipamentos médicos naturalmente podem sofrer com o passar do tempo. Em alguns casos, o manuseio inadequado, por falta de treinamento dos profissionais de saúde, pode desgastar ainda mais os aparelhos.

Conformidade com as normas

O Ministério da Saúde e a Anvisa têm normas que exigem a manutenção periódica dos equipamentos hospitalares. Isso porque você já entendeu que negligenciar essa etapa pode trazer insegurança e diagnósticos imprecisos, prejudicando o paciente.

Existem outros protocolos, como a Norma Técnica Brasileira NBR 15943:2011, que fala sobre o gerenciamento dos equipamentos hospitalares. Nesse sentido, é preciso que a gestão do hospital garanta uma ação coordenada por um profissional de nível superior para gerenciar fases de aquisição, manutenção preventiva e corretiva, implantação, gerenciamento de risco etc.

Quais tipos de manutenções podem ser aplicados na rotina hospitalar?

Existem três tipos de manutenções:

  • manutenção preventiva: realizada de maneira programada, conforme a utilização de cada equipamento e as orientações do fabricante. Normalmente, a inspeção é agendada com antecedência e envolve testes de segurança, limpeza e detecção de problemas enquanto ainda são pequenos;
  • manutenção corretiva: realizada para desenvolver formas de correção no caso de um dano no equipamento. Sendo assim, ele é devolvido, consertado e calibrado;
  • manutenção preditiva: realizada de maneira planejada, com o intuito de averiguar minuciosamente, usando aparelhos específicos. Seu objetivo é antecipar, por meio de resultados da análise, manutenções preventivas e corretivas, elevando o tempo de vida útil e segurança do aparelho.

Como melhorar o gerenciamento de manutenção de equipamentos hospitalares?

Existem algumas práticas que podem ser implementadas como forma de promover um melhor gerenciamento de manutenção de equipamentos hospitalares. Veja a seguir as principais!

Realize planejamentos

É preciso elaborar um planejamento para que os equipamentos possam ser revisados periodicamente, o que requer a obtenção de um aparelho reserva, já que a máquina deverá ser aberta para a realização dos procedimentos adequados.

Dessa forma, é preciso criar um plano, estabelecendo a melhor data e hora para a realização da revisão e substituição do aparelho reserva.

Compreenda a dinâmica de cada equipamento

Cada equipamento possui utilidades e características diferentes. Alguns são mais usados do que outros. Para que as manutenções sejam eficazes, é preciso conhecer a relevância de cada um e as demandas mais frequentes. Por esse motivo, estipule as prioridades de maneira consciente.

Mapeia os riscos hospitalares

Para reduzir as possibilidades de riscos biológicos, o gerenciamento de manutenção de equipamentos hospitalares deve estar em dia para assegurar a esterilização dos materiais, evitando a utilização de aparelhos infectados e a disseminação de doenças.

Defina o fluxo de trabalho

Entender o histórico de uso e conservação do equipamento hospitalar é essencial para identificar a situação da sua vida útil. Essa prática pode aperfeiçoar de maneira considerável o fluxo de trabalho dos profissionais de saúde para realizar exames de forma precisa e usar os aparelhos de forma adequada, além de reduzir problemas.

Realize um controle eficiente

Outra prática indispensável é saber a quantidade correta de equipamentos hospitalares e garantir que estejam todos calibrados, lubrificados, conservados, com as peças trocadas no período adequado e com o funcionamento certo.

Um bom controle proporciona todos os aspectos, considerando que contribui para a elaboração de informações precisas a respeito dos aparelhos, o que promove uma gestão eficaz.

Conseguiu entender a importância de um gerenciamento de manutenção de equipamentos hospitalares e como realizá-lo? Caso esse processo não aconteça, o aparelho corre o risco de ficar quebrado e em mau estado de conservação, o que impossibilita a prestação adequada dos serviços aos pacientes, podendo até mesmo colocar as suas vidas em risco e aumentar os tempos de espera ou cancelamentos de exames e atendimentos, impactando da imagem da instituição no mercado.

Gostou deste artigo sobre a manutenção de equipamentos hospitalares? Então, deixe seu comentário aqui e compartilhe com a gente a sua opinião sobre as dicas apresentadas!

LEIA MAIS
1 2 3 30
Gostou? Compartilhe este artigo!
Fale Conosco
(41) 3253-0500
(41) 3313-1665
(41) 3253-0500
sac@medicalway.com.br
ROD CURITIBA PONTA GROSSA
BR 277, 3931 - Orleans
Curitiba/PR - CEP: 82.305-100
Conecte-se com a Medicalway
Fique por dentro das nossas novidades!

    Filiais
    Rio Grande do Sul
    (51) 3209-0813
     
    Santa Catarina
    (47) 99187-8805
    © 2022 Medicalway Equipamentos Médicos LTDA. Todos os diretos reservados | CNPJ: 02.949.582/0001-82
    Desenvolvido por Fresh Lab - Agência  de Marketing Digital
    crossarrow-right-circle linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram