Os equipamentos médico-hospitalares são desenvolvidos para trazer mais segurança ao paciente e garantir resultados melhores nos tratamentos. 

Além disso, as tecnologias avançam também no sentido de trazer mais praticidade e precisão para o trabalho dos profissionais de saúde. Nesse cenário, temos os diferentes tipos de bomba de infusão hospitalar.

Esses aparelhos são indispensáveis em Unidades de Terapia Intensiva (UTI), ambulatórios, enfermarias, casas de repouso e até no uso doméstico. 

Eles têm como objetivo fornecer medicamentos e nutrientes ao corpo do paciente em quantidade controlada, como drogas vasoativas, analgésicas, insulina, quimioterápicos, sedações contínuas, nutrição parental, entre outros fluidos.

Conheça mais detalhes da bomba de infusão neste conteúdo e os nossos modelos disponíveis!

Qual é a importância da bomba de infusão hospitalar?

A bomba de infusão hospitalar é de suma importância na administração controlada e precisa de fluidos, medicamentos e nutrientes para pacientes em ambientes hospitalares

Conheça outros motivos que a tornam indispensável nas UTIs:

Uso de tecnologias na terapia intravenosa 

As tecnologias avançaram e com elas vieram melhorias, praticidade e precisão, tudo para proporcionar um trabalho seguro aos profissionais de saúde. 

Com este avanço, as bombas de infusão de alta tecnologia da Mindray não ficaram de fora e a nova geração destes equipamentos agregam tecnologia em favor da infusão segura através dos seus modelos de bomba de infusão, como: Bomba de Infusão Volumétrica, Bomba de Seringa, Bomba de Seringa Alvo Controlada (TCI) ou PCA (analgesia controlada pelo paciente).

As bombas de última geração estão vindo com a tela sensível ao toque totalmente capacitivas, além de terem conectividade com outros equipamentos da Mindray. A utilização deste tipo de tela, capacitiva, permite aos usuários interagir diretamente com uma interface digital por meio do toque suave na superfície da tela. 

Em vez de depender de dispositivos de entrada tradicionais, como teclados, mouses, botões em geral, os usuários podem controlar e manipular o conteúdo exibido na tela tocando-a com as pontas dos dedos. 

Aliás, um ponto fundamental da tela capacitiva das bombas é que depende do toque e não do calor da pele. Assim, a tela é muito mais rápida e responsiva na hora de utilizar as bombas da Mindray com luvas. O profissional agradece.

Quais são os tipos de bomba de infusão hospitalar existentes no mercado?

Existem diversos tipos de bombas de infusão hospitalar disponíveis no mercado, cada uma projetada para atender a necessidades específicas. Aqui estão alguns dos principais tipos:

Bomba de infusão volumétrica

Este tipo de bomba é projetado para administrar fluidos em uma taxa específica ao longo do tempo, garantindo uma entrega precisa de volumes predeterminados. São comumente utilizadas para infusões de soluções salinas, medicamentos e nutrientes.

Bomba de infusão de seringa

Em vez de usar um recipiente de fluido, a bomba de infusão de seringa utiliza uma seringa para administrar medicamentos ou soluções de forma controlada. Esse tipo de bomba é frequentemente utilizado em situações em que a administração de pequenos volumes com precisão é crucial.

Bomba de infusão de seringa Alvo Controlada

Esta bomba é dotada de modelos farmacocinéticos para o Propofol, Remifentanil, Sulfentanil e Alfentanil. 

Estes modelos propiciam uma anestesia controlada de hipnóticos e opióides concomitantemente. A conclusão mais importante, no entanto, refere-se à economia à medida que os fármacos utilizados nessas bombas não ficarão restritos apenas a uma empresa farmacêutica, a exemplo do que ocorreu com o Propofol. 

Hoje já se dispõe de equipamentos para utilização de Propofol e Opioides, em IAC, que aceitam qualquer apresentação farmacêutica com a vantagem da possibilidade de alteração da concentração do fármaco na seringa, de acordo com a diluição desejada. 

A indução, a manutenção e o despertar do paciente é muito mais seguro para o médico e para o próprio paciente.

Bomba de infusão PCA (Analgesia Controlada pelo Paciente)

Projetada para o controle da dor, a bomba PCA permite que os pacientes administrem doses autônomas de analgésicos mediante prescrição médica. Isso proporciona maior controle sobre o alívio da dor, especialmente após procedimentos cirúrgicos.

Quais medicamentos são utilizados na bomba de infusão hospitalar?

A bomba de infusão hospitalar pode ser utilizada para administrar uma variedade de medicamentos, dependendo das necessidades específicas do paciente e do tratamento prescrito.

Alguns exemplos comuns de medicamentos administrados por meio dessas bombas incluem:

Esses são apenas alguns exemplos, e a lista de medicamentos administrados por bombas de infusão pode variar amplamente, dependendo das necessidades do paciente e do plano de tratamento estabelecido pelos profissionais de saúde. 

A administração controlada desses medicamentos é fundamental para garantir a eficácia do tratamento e a segurança do paciente.

Quais modelos de bomba de infusão a Medicalway disponibiliza?

A Medicalway é referência em equipamentos médicos hospitalares, pois trabalha com as melhores marcas e tecnologias, e oferece um suporte pós-venda diferenciado.

Em nosso portfólio, você encontra dois modelos de bomba de infusão:

BeneFusion SP3 

(Bomba de Infusão/Seringa – Mindray): o BeneFusion série 3 apresenta um conceito fácil de usar, que simplifica o fluxo de trabalho de infusão e satisfaz diversas necessidades clínicas, além de contribuir para práticas clínicas sem preocupações.

BeneFusion SP5

(Bomba de Infusão/Seringa – Mindray): design intuitivo, tela 3.5″ colorida que fornece multi-informações em uma página, sistema de gestão de oclusão inteligente, função de arranque rápido para medicação eficaz na hora e até seis modos de infusão.

O papel da Interoperabilidade versus bombas de infusão Mindray

A interoperabilidade refere-se à capacidade dos sistemas de tecnologia da informação em saúde se comunicarem com os equipamentos conectáveis, trocando entre eles as informações de maneira segura e eficiente. 

Nesse sentido, não se trata apenas da troca de dados, mas sim na garantia da integridade durante todo o processo, com o intuito de promover um intercâmbio de informações seguras e eficientes dos dados dos pacientes. 

Pensando neste novo mundo tecnológico, a Mindray propiciou que as suas interfaces permitissem o processo de implantação rápida e que gerenciam o mapeamento de dados, tornando-os acessíveis de forma padronizada e segura.  

Ou seja, as bombas de infusão da Mindray permitem a integração de dados com os sistemas dos Hospitais, para que todo o balanço hídrico infundido no paciente seja transmitido automaticamente para o prontuário eletrônico deste, graças ao intercâmbio entre a bomba e o sistema do hospital. 

Com isto, a taxa de erro de informação de dados cai a zero, visto que não depende de alguém anotar estes dados. O bom disto tudo é que torna todo o processo rastreável e o relatório 100% confiável. 

Outro ponto fundamental utilizado nas bombas da Mindray quando conectadas ao sistema do hospital ou a uma central de monitoramento é que além do relatório do balanço hídrico o processo em si sobe para outro patamar, pois com a conectividade é possível ir muito além, como: monitorar a infusão de qualquer lugar, gerenciar alarmes de todos os níveis, controlar equipamentos e realizar manutenções preventivas e atualizar o software das bombas, tanto intra como extra hospitalar. 

É possível, ainda, ver a confiabilidade de todo o processo de infusão quando as bombas da Mindray estão interligadas com centrais de monitoramento e com o sistema da instituição.

Outra possível integração das bombas da Mindray é a conectividade entre vários equipamentos de sua marca, como: monitores e ventiladores. Para esta integração utiliza-se uma Central de Monitoramento híbrida, onde é possível visualizar todos os equipamentos e dados do paciente em uma única tela.

Por que escolher a Medicalway?

A Mindray é uma empresa global especializada no desenvolvimento, na fabricação e na comercialização de equipamentos médicos. Fundada em 1991 na China, temos nos destacado como uma das principais fornecedoras de soluções de diagnóstico por imagem, monitoramento de pacientes e equipamentos médicos em geral.

Atendemos a padrões internacionais de qualidade e a regulamentações para garantir a segurança e eficácia dos nossos produtos. Além disso, a Mindray investe em pesquisa e desenvolvimento para inovar continuamente e atender às crescentes demandas e expectativas do setor de saúde.

Além disso, somos uma das maiores representantes dos produtos Mindray, trabalhamos com os melhores fornecedores mundiais.

Fale conosco

Quer conhecer melhor nossos produtos? É só entrar em contato com a nossa equipe para receber todos os esclarecimentos!

Gostou deste material? Então leia outros artigos em nosso blog:

Assim como os seres humanos podem adoecer em certos momentos da vida, os animais também contraem doenças ao longo de sua jornada. E, como a maioria das pessoas ama esses bichinhos, os veterinários, por meio de estudos, descobriram que é possível fazer cirurgias nos pets, isso tudo com o objetivo de auxiliá-los em diversas situações.

Apesar de ser muito praticada, a intervenção cirúrgica em animais é delicada e exige certos cuidados no pré e pós-operatório. Por essa e outras razões, é necessário conhecer mais a fundo esse tema. Neste post falaremos sobre a cirurgia veterinária, isso para que você tire suas dúvidas sobre os procedimentos cirúrgicos em cachorros e gatos.

Deseja saber mais sobre o assunto? Continue a sua leitura!

Quais são as principais cirurgias veterinárias?

Quando o tema é cirurgia animal, podemos ter uma noção do quanto este assunto é amplo, afinal, existem inúmeras operações para diferentes espécies de animais. E, saiba que alguns dos procedimentos comuns podem ser feitos com o apoio de ONG’s e pessoas ligadas ao mundo animal. Veja abaixo quais são realizados com frequência!

Castração

A castração é eleita o procedimento mais realizado nos pets, principalmente em cães e gatos. Esta cirurgia tem como principal objetivo cessar a reprodução, o que traz diversos benefícios para o animal, principalmente para as fêmeas que vivem em situação de abandono, pois caso ela venha a procriar, trará ao mundo mais bichinhos que viverão em situação de desprezo.

O procedimento em cães e gatos machos é feito por meio da retirada dos testículos. Este órgão é responsável pela produção de testosterona, que nada mais é do que um hormônio sexual masculino responsável pelo comportamento sexual do animal, sendo assim, ao efetuar a retirada dos testículos, a produção cessa e torna o cão ou gato infértil.

Já no caso de gatas e cadelas, a operação é efetuada por meio de uma incisão no abdômen e retirada das trompas, do ovário e do útero, impossibilitando a mesma de engravidar.

Mas, é necessário lembrar que toda cirurgia animal deve ser discutida com um veterinário de confiança, além de fazer todos os procedimentos pré-cirúrgicos necessários, como exames, raios-x e entre outros, para evitar que futuras complicações venham a acontecer ou até a morte do animal.

Piometra

A piometra nada mais é que um distúrbio uterino que acomete cachorras e gatas e que é mediada pelo hormônio reprodutivo progesterona. Entre os principais sintomas que os animais acometidos pela doença sentem, podemos citar:

O tratamento mais indicado para o tratamento desse problema, é a cirurgia. O procedimento consiste na retirada do útero que está infeccionado. E, a paciente também irá receber antibióticos, remédios para a dor e soro para auxiliar nos cuidados com os rins. Vale salientar que, a indicação da cirurgia é feita para evitar complicações como a ruptura uterina, septicemia e insuficiência renal.

Retirada de tumor

Quando se fala em tumor, todos ficam receosos. Mas, saiba que até os animais podem ser acometidos por essa terrível ameaça. Contudo, perceber que o animal está com algum problema é importante para que ele seja levado ao veterinário. Após ter certeza do que se trata, o médico do animal poderá indicar a cirurgia de remoção. A retirada cirúrgica assusta, mas é uma das melhores alternativas.

Então, a cirurgia veterinária salva muitas vidas todos os dias e é fundamental para o bem-estar dos animais. Se você tem uma clínica de cuidados com os animais, certifique-se de que o local possui equipamentos adequados para realizar as cirurgias, sejam elas de grande ou pequeno porte.

A Medicalway é uma empresa que vende equipamentos médicos e hospitalares, e que possui muitas opções para centros cirúrgicos. Também disponibiliza itens de UTI e para os centros de imagens (ultrassom). Portanto, se estiver precisando de algum item, não deixe de fazer um orçamento.

Gostou de nosso post? Entre em contato conosco agora mesmo e saiba quais são os equipamentos que temos disponíveis!

A Norma Brasileira Regulamentadora – NBR nº 17025 é uma legislação aplicada em laboratórios do mundo inteiro para desenvolver um sistema de gestão para operações técnicas, administrativas e de qualidade. O texto aponta os requisitos a serem cumpridos pelos laboratórios de ensaios para que obtenham reconhecimento no mercado internacional e nacional por comprovar competência técnica.

Os elementos mais importantes decorrentes da NBR nº 17025 são: rastreabilidade, gestão da qualidade, padrão, avaliação de conformidade, acreditação, certificado e LIMs. Todos esses componentes precisam ser incorporados pelos laboratórios que desejam alcançar a excelência. Neste post, vamos explicar melhor esse conceito, sua relação com a ISO 9001 e seus benefícios.

Gostaria de saber como é possível aplicar a NBR nº 17025 e alcançar os seus objetivos? Acompanhe a leitura!

Saiba o que é e quais são as regulações da NBR 17025

A NBR nº 17025 é uma norma criada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) com a finalidade de reger os Sistemas de Gestão da Qualidade dos laboratórios. Ela aponta os requisitos e princípios necessários para a realização de procedimentos de ensaios ou calibrações por meio de amostras. Há uma metodologia indicada nessa legislação.

Os laboratórios devem utilizar a NBR nº 17025 para realizar os procedimentos de calibrações e ensaios com o auxílio dos métodos normalizados ou não normalizados a serem por eles elaborados. A origem dessa norma se deu com a revisão e substituição da DIN EN 45001 e da ISO/IEC Guia 25, bem como pelo seu alinhamento com a ISO 9001.

Compreenda a relação da NBR 17025 com a ISO 9001

Como você pode ver, a NBR nº 17025 se relaciona diretamente com os procedimentos de laboratório, razão pela qual exigem a implementação de um sistema de gestão de qualidade que seja capaz de gerar ótimos resultados. A ISO 9001, por sua vez, registra os requisitos para garantir a qualidade desses sistemas nas organizações para elevar a satisfação dos clientes.

Portanto, a NBR 17025 utiliza a ISO 9001 como referência e o laboratório que a implementa opera por meio dessa norma utiliza um Sistema de Gestão de Qualidade. Para implantar esses regramentos utiliza-se um Manual da Qualidade, Procedimentos de Gestão, Procedimentos Técnicos, Instruções de Equipamentos e Formulários para registros das atividades.

Confira os benefícios da ISO 9001 e como aplicar a NBR 17025

Um dos principais benefícios decorrentes da aplicação dessas normas é a credibilidade e confiabilidade no mercado. Um laboratório acreditado emite certificados de qualidade, oferece serviços de análises e fatura muito mais. Além disso, aumenta o comprometimento da equipe e a competência do pessoal. Veja a seguir como aplicar a NBR nº 17025!

Procure o INMETRO

INMETRO é o órgão brasileiro que se responsabiliza pelas certificações dos laboratórios no território nacional. O instituto tem tratados e acordos internacionais para acreditar outras instituições pela NBR nº 17025. A ISO audita essa organização para que atue como acreditadora com o auxílio da Coordenação Geral de Acreditação (CGCRE) que faz o processo.

Faça um cadastro

É preciso fazer um cadastro e cumprir alguns requisitos ao entrar em contato com o INMETRO. O laboratório deve seguir as diretrizes da NBR nº 17025 e a CGCRE vai rubricar certos documentos. Existem duas categorias de documentação, os normativos são obrigatórios, enquanto os orientativos não. Envie ao instituto as documentações de constituição da sua empresa.

Participe do ensaio de proficiência

O laboratório terá que participar de um ensaio de proficiência para realizar a calibração e comparar seus resultados com outras empresas já acreditadas. Os processos são feitos de forma imparcial por um terceiro, mas será fundamental ter o sistema da qualidade e as instalações prediais avaliadas pelo INMETRO. Depois de obter a acreditação, é necessário mantê-la.

Entendeu o que é e para que serve a NBR 17025? Saiba que o processo de acreditação pode demorar entre 6 até 12 meses em virtude da demanda que é bastante elevada e dos processos que são bem detalhados. O laboratório passará por uma pré-auditoria, receberá uma visita que avaliará o grau de assertividade de seus procedimentos.

Gostou do conteúdo? Então curta a nossa página no Facebook e acompanhe as nossas publicações!

As posições cirúrgicas sofreram alterações ao longo dos anos e visam expor adequadamente o campo cirúrgico, facilitando a visualização dos médicos e demais profissionais. Os resultados são salutares: diminuem o tempo de uma cirurgia e os riscos para o paciente.

A escolha da posição ideal é sempre do cirurgião responsável em conjunto com o anestesiologista. Isso porque, enquanto o primeiro precisa ter o campo visual e de manejo adequados, o segundo é o responsável pelo acompanhamento dos sinais vitais e o conforto do paciente — o que auxilia, inclusive, em sua recuperação.

O que são posições cirúrgicas?

Trata-se da forma como o paciente é disposto na mesa da sala cirúrgica para a realização do procedimento cirúrgico. Já vimos que a posição adequada beneficia os médicos e o paciente. Agora você conhecerá os tipos de posições cirúrgicas.

Qual posição cirúrgica é a ideal para cada paciente e sua importância?

A posição cirúrgica ideal para o paciente é sempre aquela que permita que:

Qual a importância das posições cirúrgicas na redução de complicações e riscos?

Os riscos relacionados aos procedimentos cirúrgicos que um paciente pode enfrentar são diminuídos ao estar na posição adequada. Isso acontece devido ao desenvolvimento e aprimoramento das posições facilitando a biodinâmica e a ergonomia do paciente.

A posição cirúrgica ideal facilita o funcionamento do sistema vascular evitando trombose, edemas e outras complicações, daí sua fundamental importância. Além disso, elas permitem uma evolução satisfatória na recuperação do paciente, já que as dores relacionadas à má postura ou ao agravamento de lesões preexistentes são reduzidas.

Quais são as posições cirúrgicas?

A seguir, confira os tipos de posições cirúrgicas e quando são usadas!

Posição supina 

É o posicionamento mais comum. No entanto, é preciso dar atenção especial ao posicionamento das pernas, para que as articulações dos joelhos não fiquem muito distendidas. A cabeça e a coluna cervical precisam ficar relaxadas. Além disso, deve-se posicionar os braços de forma que sejam evitados danos aos nervos.

Posição prona

É a escolha das cirurgias na coluna. O tórax deve ficar apoiado nos coxins com grande abertura, permitindo a respiração normal e reduzindo a pressão intra-abdominal. A cabeça é posicionada de uma maneira que mantenha a coluna cervical posição neutra. Os joelhos ficarão ligeiramente flexionados e bem acomodados. O uso de travesseiros recortados lateralmente garantem o fácil acesso ao anestesiologista, para uma anestesia segura.

Posição lateral

Aqui, o paciente deve permanecer fixado para evitar seu deslocamento. Para o conforto, deve ser utilizado um acolchoamento para pernas e calcanhares. A pessoa pode ficar sobre as articulações motorizadas da mesa, garantindo o acesso ideal à área do tórax ou dos rins. 

Posição de cadeira de praia

Neste caso, joelhos e pernas precisam ficar relaxados, ou seja, sem serem distendidos. O dorso e a pederneira devem ser subidos gradualmente, alternando-as. Com o paciente sentado, deve haver nova avaliação visando eliminar pressões que surgiram durante o posicionamento.

Posição dorso sacral / litotômica

Esta é a posição de escolha para cirurgias urológicas e ginecológicas, pois a pélvis fica livre, além de garantir uma maior superfície de suporte para a panturrilha e apoio ao joelho. Além disso, os calcanhares ficam livres, enquanto os pés e os joelhos ficam alinhados ao ombro oposto.

Posição genucubital / sobre cotovelos e joelhos

Em cirurgias proctológicas e ginecológicas, após serem anestesiados em posição supina, os pacientes são colocados nesta posição. O tórax é colocado sobre coxins com grande abertura visando a redução da pressão intra-abdominal e não prejudicar a respiração. 

Esperamos que o texto tenha explicado adequadamente a importância de acomodar o paciente em uma posição cirúrgica ideal e todas as informações a respeito desse assunto.

Agora, complemente sua leitura com este texto: Entenda como funciona a mesa cirúrgica e como escolher uma.

O videolaringoscópio é um aparelho utilizado para verificação das vias aéreas de um indivíduo. O procedimento de videolaringoscopia consiste na introdução do equipamento — que possui lâminas com tamanhos adequados a cada necessidade e uma câmera — por meio do trato respiratório superior do paciente, com o intuito de visualizar em tempo real as condições e impedimentos que possam existir nos canais respiratórios.

Dessa forma, em casos de necessidade de intubação por meio de vias aéreas difíceis (VAD), ou seja, vias que possam estar obstruídas por conta de uma formação anatômica atípica, algum corpo estranho localizado nesse espaço, conteúdo desconhecido ou outro motivo circunstancial, o uso do videolaringoscópio é considerado ideal dentre as opções para o procedimento.

Neste artigo, vamos mostrar por quais motivos a videolaringoscopia se apresenta como a melhor alternativa para intubações através de vias aéreas difíceis. Continue a leitura para saber mais!

Diferenciais do videolaringoscópio

O equipamento hospitalar videolaringoscópio é uma variação avançada do laringoscópio, também utilizado para verificação do trato respiratório. Isso porque o primeiro é composto de uma sonda com câmera de inspeção, que permite visualizar em tempo real as características e condições das vias aéreas. As imagens são exibidas em uma tela que pode estar acoplada ao item ou em uma estação localizada próxima aos profissionais, a depender do tipo do aparelho.

Além disso, é de fácil manuseio, já que possui um punho com formato anatômico adequado à necessidade de conduzi-lo por espaços críticos e que, porventura, estejam obstruídos, o que permite que o profissional médico responsável pelo procedimento se sinta seguro quanto a seus movimentos e possa realizá-los com firmeza.

Por conta dessa facilidade em lidar com o aparelho e pelas imagens em tempo real transmitidas em tela, o aparelho é indicado em situações de rotina ou em que existem dificuldades para a intubação, como em casos emergenciais ou cirúrgicos, já que evita que as tentativas sejam frustradas e causem danos maiores ao paciente.

Tipos de equipamento

Dentre os videolaringoscópios, existem algumas opções que são propícias a cada situação ou realidade dos hospitais e clínicas. Já existe no mercado uma gama de equipamentos de ponta, cada vez mais tecnológicos e que podem auxiliar em procedimentos extremamente complexos e que exigem precisão nas ações, como é o caso das intubações traqueais por vias áreas difíceis, que tornaram-se bastante frequentes devido à pandemia de Covid-19.

Portátil

Esses equipamentos são leves e adequados ao manuseio rápido, podendo ser utilizados sem aplicação de força, já que por meio da câmera de inspeção, conduzem de forma precisa pelos caminhos livres no trato respiratório. Contêm um visor acoplado — que pode ser retirado com facilidade —, o que otimiza a visualização do procedimento.

Workstation

O aparelho é conectado a uma estação de trabalho, por meio da qual é possível gerenciar o exame com relatórios médicos, com gravação, fotografia e gráficos, além de possibilitar a conexão — com utilização de tecnologia Wi-Fi — a médicos ou outros profissionais que estejam em outra localidade. Essa funcionalidade permite também adequação a métodos de trabalho dentro da telemedicina, modalidade de atendimento que cresceu exponencialmente por conta da pandemia.

É mais adequado utilizar o videolaringoscópio para procedimentos médicos rotineiros e complexos — como a intubação por vias aéreas —, porque seu uso garante precisão nas ações e diminui as chances de danos ao trato respiratório dos pacientes.

A Medicalway possui videolaringoscópios que contemplam a mais alta tecnologia no mercado e que trazem em sua composição itens formulados com que o que há de mais inovador na área, em modelos portáteis ou com workstation.

Se você se interessou em conhecer esses equipamentos de altíssima tecnologia, entre em contato conosco para saber mais detalhes!

Apesar das similaridades em alguns sintomas e no momento em que os casos começaram a se elevar, a ômicron e a influenza H3N2 são diferentes. A principal diferença é que a primeira refere-se a uma variante do coronavírus, que tornou-se uma pandemia em 2020 e começou a ser controlado com o avanço da vacinação.

Enquanto isso, a influenza H3N2 é um vírus da gripe e começou a circular no Brasil aproximadamente em outubro. Apesar de ter uma taxa de mortalidade menor do que a ômicron, 3 estados já confirmaram estado de epidemia. Tudo isso eleva o risco de contágio e pode saturar os espaços de saúde ao adoecer boa parte da população.

Deseja saber mais sobre as diferenças entre a ômicron e a influenza H3N2? Continue a leitura e tire suas principais dúvidas no assunto!

Influenza H3N2

Conforme citado, a influenza H3N2 é uma variante do vírus da gripe, que causa sintomas comuns de resfriados e pode ser transmitido por meio de gotículas liberadas no ar. Assim, a prevenção contra esse problema ocorra também com o uso de máscara, distanciamento físico e higienização das mãos.

O paciente tem de 3 a 5 dias para apresentar os primeiros sintomas, caso tenha sido contaminado. E ainda, há casos de transmissão assintomática — tal qual as variantes do coronavírus podem atuar. Seja como for, saiba que os principais sintomas da INfluenza H3N2 são:

Diferentemente do que muitos podem imaginar, essa doença também é letal. Felizmente, as vacinas disponíveis contra o vírus da Influenza podem prevenir esse problema e minimizar os sintomas que podem aparecer. Entretanto, a cobertura vacinal ainda é considerada baixa, o que reduz o nível de proteção.

Ômicron

Enquanto isso, a taxa de vacinados contra a covid-19 — cujos estudos preliminares mostram eficácia também na defesa da ômicron — é mais elevada. Por isso, o risco de internação por essa variante tende a ser menor, além de haver menos ataque ao pulmão. De qualquer forma, ela pode levar ao surgimento de alguns sintomas, como:

Influenza H3N2 x ômicron

Percebeu a semelhança nos sintomas de ambas doenças? A principal diferença com relação a isso é que o vírus da gripe costuma evoluir muito mais rápido, enquanto a ômicron faz isso lentamente. Além disso, a maneira como cada uma se comporta no organismo apresenta diferenças.

De qualquer maneira, só é possível saber qual dos dois vírus atingiu o paciente após a realização de um teste. Seja qual for o resultado, é indispensável seguir as tradicionais recomendações médicas para evitar o contágio. Caso contrário, é possível colocar a vida de outras pessoas em risco e elevar a taxa de ocupação dos hospitais.

Então, conseguiu entender mais sobre a ômicron e a influenza H3N2? Para evitar o problema, é fundamental seguir as medidas preventivas, como o uso de máscaras e a vacinação. Se ainda assim houver o contágio, faça o teste para garantir o isolamento seguro.

O nosso post foi útil para você entender mais sobre esses vírus? Assine a newsletter da Medicalway e continue por dentro das atualizações!

Os equipamentos médicos são aliados fundamentais no cotidiano hospitalar ou clínico e, por conta disso, é preciso conhecer sobre cada um deles e sobre seus usos apropriados, para garantir um atendimento de excelência. No entanto, a cada dia mais surgem aprimoramentos desses aparelhos, seguindo tendências tecnológicas da área da saúde, como por exemplo, as inovações em equipamentos de ultrassonografia e em seus respectivos componentes auxiliares — os transdutores de ultrassom.

Os transdutores de ultrassom são peças complementares e essenciais aos aparelhos de ultrassom e cada uma dessas partes é destinada a usos específicos, sendo esse o item que entrará em contato direto com o corpo da pessoa analisada. É por meio desses componentes que se faz possível a transcrição das ondas sonoras das partes do corpo humano para as imagens refletidas no visor do equipamento, e tudo isso é feito de forma não invasiva e em tempo real.

É imprescindível — para um diagnóstico por imagem eficiente e otimizado — a manutenção e cuidados adequados no manuseio dos aparelhos e a utilização acertada de cada peça. Vamos apresentar neste artigo os tipos de transdutores de ultrassom e tudo o que você precisa saber sobre eles, portanto, continue a leitura!

Tipos de transdutores de ultrassom

Transdutor Convexo (Curvo)

Esse item é indicado para visualização de órgãos abdominais — como fígado, intestino, vesícula biliar —, também para avaliações por imagem ginecológicas e obstétricas, abrangendo ovários, útero e feto. Sua utilização é feita de forma externa, ou seja, por sobre a pele, e produz uma imagem triangular no visor do equipamento de ultrassom. Além disso, existe no mercado uma variação dessa peça, conhecida como Transdutor Micro Convexo, que é adequada a exames pediátricos e veterinários.

Transdutor Endocavitário

Já nessa opção, a utilização do componente é feita de maneira interna, com sua introdução em acessos naturais do corpo — como Vaginal e reto — ou, em casos cirúrgicos, através de passagens artificiais. Dessa forma, é bastante apropriado para exames ginecológicos, endoscopias e exames retais. Existem algumas alternativas do item — transdutores biplanos ou triplanos — que possibilitam alterar o ângulo de visualização da imagem retangular, sem a necessidade de movimentação do aparelho.

Transdutor Linear

O transdutor linear serve a exames de áreas menores, como por exemplo os testículos, além de ser utilizado para avaliações diagnósticas vasculares e de partes superficiais, como músculos, tendões e mamas. Deve ser conduzido de maneira externa e sua imagem é reproduzida no formato retangular.

Transdutor Setorial

Também conhecido como setorial Cardíaco ou cardio, otimiza a análise de alguns órgãos internos, como o coração, sendo muito utilizado por cardiologistas. Possui uma variação para uso pediátrico — o que amplia seu uso — e esse modelo supre, da mesma forma, o uso dentro da medicina veterinária. A imagem reproduzida no visor do ultrassom é retangular.

Tecnologias complementares aos transdutores

Existem algumas tecnologias inovadoras, complementares aos transdutores de ultrassom, que permitem que as ecografias sejam cada vez mais precisas e funcionais. É o caso de softwares para elastografia (avalia a elasticidade dos tecidos), doppler (verifica questões ligadas ao fluxo de sangue), ultrassom com contraste (melhora a visualização de áreas específicas) e imagem panorâmica (amplia a área de visualização). É possível também potencializar os equipamentos com tecnologias volumétricas, que produzem imagens em 3D e 4D.

Os transdutores de ultrassom citados e as inovações tecnológicas adicionais são essenciais para garantir avaliações médicas cada vez mais eficazes e de excelência. Nessa perspectiva, considerando que vivemos em constante atualização de equipamentos na área da saúde, é importante contar com empresas e fornecedores idôneos, que ofereçam qualidade e o que há de mais avançado no mercado de aparelhos hospitalares e clínicos.

Se você se interessou por este assunto, descubra o que é importante observar ao escolher o seu fornecedor de equipamentos médicos, em nosso artigo sobre o tema!

Cirurgia minimamente invasiva é aquela em que as incisões são mínimas (daí seu nome), entre 03 a 10 mm aproximadamente. Como exemplo bastante expressivo, citamos a cirurgia para remover um apêndice inflamado. Se antes o corte era de 07 a 10 centímetros e o paciente permanecia no hospital por alguns dias, atualmente, o órgão é retirado por meio pequenas de incisões — em geral menores do que 02 centímetros — no abdômen, e grande parte dos pacientes vai para casa no mesmo dia do procedimento, ou fica no hospital por um ou dois dias apenas.

Outras características desse tipo de procedimento são causar menos danos à pele, propiciar uma recuperação mais rápida e, assim, voltar à rotina mais cedo. Agora que você já sabe o que é uma cirurgia minimamente invasiva e algumas das suas vantagens, conhecerá seus outros benefícios e a importância de contar com um arco cirúrgico. Confira!

Quais são os benefícios de uma cirurgia minimamente invasiva?

Retomaremos as vantagens citadas anteriormente e apresentaremos outras como:

Qual a importância do arco cirúrgico para esse tipo de cirurgia?

Na cirurgia minimamente invasiva, a visibilidade precisa ser a melhor possível visando garantir que os cirurgiões visualizem tudo o que acontece no interior do corpo do paciente. É nesse momento que o arco cirúrgico é importante. 

Da mesma forma que o Raio-X, o arco permite uma radiografia estática, usado principalmente para gerar imagens fluoroscópias intraoperatórias, garantindo tomadas dinâmicas altamente resolutivas, em tempo real e em até milhares de tons cinzentos que geram imagens digitais, que permitem ao cirurgião monitorar o andamento da cirurgia e operarem, imediatamente, os procedimentos urgentes.

O nome arco cirúrgico é devido ao fato dos arcos serem montados sobre tubos de Raio-X, rodas, painel de comando, intensificador de imagens etc., e tudo isso unido formando um arco. Esses equipamentos são usados, em geral, em vários tipos de cirurgias como: urológicas, ortopédicas, gastroenterológicas, cardiovasculares (como na implantação de marca-passo), entre muitas outras.

O arco cirúrgico possui um painel de comandos funções importantes para a adequação a procedimentos cirúrgicos variados, como:

Nosso pensamento visionário permitiu que a Medicalway se tornasse especialista em Arcos Cirúrgicos mundialmente falando, além de nosso comprometimento com a missão de trazer novos padrões de tecnologia.

Liderando em inovação, somos os primeiros a apresentar Subtração Digital Angiográfica (DSA), detector digital flat panel, interface de usuário touchscreen, bem como a introduzir um arco cirúrgico 3D e a lançar um detector digital com tecnologia CMOS nesse tipo de equipamento. Por tudo isso, conte com a Medicalway na aquisição de arcos cirúrgicos! Possuímos vários modelos. Um deles atenderá às suas necessidades como cirurgião!

O texto mostrou o grande avanço para a medicina trazido pela cirurgia minimamente invasiva, seus benefícios tanto para o paciente quanto para o cirurgião, além de apontar as vantagens da utilização do arco cirúrgico. Esperamos que seja útil em sua rotina hospitalar.

Entre em contato e informe-se sobre nossos modelos de arcos cirúrgicos e respectivos orçamentos!

BI-RADS é a sigla da expressão Breast Image Reporting and Data System, método desenvolvido pelo Colégio Americano de Radiologia (ACR), que padroniza laudos de mamografia para reduzir riscos de má interpretação entre médicos diferentes e serviços de saúde, bem como propiciar a comparação de resultados anteriores. Portanto, o BI-RADS funciona como uma forma de averiguar a existência de achados (benignos ou malignos) na mamografia.

Agora que você já sabe o que é classificação BI-RADS, para que serve e como funciona, conheça o significado de cada tipo, como interpretá-los e as melhores condutas a seguir!

Significado das classificações BI-RADS

Entenda o significado das numerações do BI-RADS na mamografia e na ultrassonografia.

BI-RADS 0 – Exame inconclusivo.

Quando o exame é inconclusivo ou incompleto.

Inconclusivo. Aqui estão os:

  1. achados que requerem exames complementares (imagens mamográficas adicionais e/ou uma ultrassonografia da mama ou ainda a  necessidade de  comparação das imagens de mamografia de exames anterior).
  2. resultados com problemas técnicos, como mau posicionamento das mamas e movimentação da paciente durante o exame.

BI-RADS 1 – Exame normal ou exame negativo.

Quando a mamografia não apresenta nenhuma alteração.  O exame é completamente normal. As mamas são simétricas e não foram visualizadas massas, distorções de arquitetura ou calcificações suspeitas.

“Mamas normais”, ou seja, não há alterações nos seios — sendo o resultado mais almejado.

BI-RADS 2 – Exame com achados certamente benigno.

Quando  é visualizado  alguma alteração na mamografia, mas que tem características completamente benignas, ou seja, não é câncer, nem se transformará na doença

Nestes achados comuns, podemos citar :

·        Fibroadenomas calcificados.

·        Cistos simples da mama.

·        Linfonodos intra-mamários.

·        Calcificações vasculares.

·        Lipomas.

·        Hamartomas.

·        Calcificações de origem secretória.

·        Implantes de silicone.

·        Cicatriz cirúrgica.

BI-RADS 3 – Exame com achados provavelmente benignos.

Quando as alterações encontradas provavelmente são benignas, mas  não é possível ter 100% de segurança. A conduta sugerida é repetir a mamografia a cada 6 meses. Após 2 anos, a lesão permanecer igual, pode ser classificada como BI-RADS 2.Por outro lado, se em algum momento do seguimento a lesão mudar de características e se tornar mais suspeita, a classificação deve ser mudada para BI-RADS 4 e a lesão deve ser biopsiada.

BI-RADS 4 – Exame com achados suspeitos

Quando as alterações encontradas tem características suspeitas malignidade, mais  o câncer só pode ser confirmado após a paciente  ser submetida à biópsia da lesão para que o diagnóstico correto e estabelecido a conduta de tratamento.

Pode ser um câncer de mama. Designa desde lesões com baixo risco de ser câncer (menor que 10%) — como cistos, lesões sólidas levemente circunscritas aparentando ser fibroadenomas, abcesso mamário etc. — até aquelas com alto risco (maior que 50%) de malignidade. Compreende as subdivisões:

BI-RADS 5 – Exame com elevado risco de câncer

Altíssimo risco de ser um câncer mamário — superior a 95%. Aqui as massas são irregulares, mal definidas e podem apresentar novos grupamentos de calcificações pleomórficas.

BI-RADS 6

Lesão maligna preexistente. Nesse caso, já há um diagnóstico histológico de câncer e o exame de imagem servirá para controle do tratamento. É comum em laudos de exames de pacientes em tratamento contra o câncer de mama ou que já a terapia.

Na prática, ela mostra ao médico solicitante se a lesão em questão é a mesma que motivou o tratamento ou se é um novo tumor, com características diferentes do diagnosticado anteriormente.

Melhores condutas para os resultados de BI-RADS

Vimos que o BI-RADS é um método praticado internacionalmente e que classifica lesões mamárias. Agora, veja as melhores condutas a seguir após observar o laudo.

Resultado BI-RADS 0

Repetir a mamografia e, a critério médico, também solicitar uma ultrassonografia.

Resultado BI-RADS 1

Seguir a rotina de acompanhamento escolhido para cada paciente, como repetir o exame no período mais indicado para ela, baseando-se em seu histórico e outros critérios.

Resultado BI-RADS 2 

A conduta é semelhando à anterior, mas a frequência dos exames podem ser maiores.

Resultado BI-RADS 3

Repetir a mamografia a cada seis meses durante dois anos para verificar a existência de mudanças relacionadas ao exame anterior. Pode-se solicitar, ainda, que uma ultrassonografia seja feita semestralmente.

Resultado BI-RADS 4 A

Realizar uma biópsia como biopsia a vácuo – VAB, Core Biopsia ou punção (paaf). Se o resultado de exame for cito ou histopatológico benigno, ainda assim, deve ser feito um controle mamográfico semestral.

Resultado BI-RADS 4 B

Aqui há duas possibilidades:

  1. Tratando-se de uma massa com margens indistintas e áreas circunscritas, o diagnóstico de necrose gordurosa ou fibradenoma é provável — a conduta é repetir o exame a critério médico.
  2. Mas se for um papiloma, aconselha-se prosseguir a investigação com biópsia excisional (cirurgia que remove a lesão e área circundante para diagnóstico), por haver maior risco de malignidade

Resultado BI-RADS 4 C

Requer estudo histopatológico — como biopsia a vácuo – VAB, Core Biopsia ou punção (paaf).

Resultado BI-RADS 5 C

Requer biópsia como biopsia a vácuo – VAB, Core Biopsia ou punção (paaf).

Resultado BI-RADS 6

Aqui, a conduta é intrinsecamente dependente de vários fatores, sendo individualizada para cada paciente, pois trata-se de uma pessoa que tem ou já teve câncer de mama.

Esperamos que nosso post com todas as informações importantes sobre classificação BI-RADS seja útil em seu dia a dia no consultório.

aproveite para curtir nossa página do Facebook e ver nossas novas publicações em seu feed!

Conecte-se com a Medicalway
Fique por dentro das nossas novidades!

    Filiais
    Rio Grande do Sul
    (51) 3209-0813
     
    Santa Catarina
    (47) 99187-8805
    © 2022 Medicalway Equipamentos Médicos LTDA. Todos os diretos reservados | CNPJ: 02.949.582/0001-82
    Desenvolvido por Fresh Lab - Agência  de Marketing Digital
    crossarrow-right-circle linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram